A Liberdade do OPT-IN e o Respeito ao OPT-OUT em Campanhas de Marketing Direto

Um dos pontos cruciais para uma empresa de Marketing Direto ou qualquer organização que se utilize de campanhas de Marketing Direto é saber jogar com esses dois conceitos: opt-in e opt-out. Eles podem definir o sucesso ou o insucesso de uma campanha. Mas, de fato, quem executa tais campanhas sabe a real noção destes conceitos e também o significado de uma esquecida, porém importante, nomenclatura chamada Marketing de Permissão?

Se a resposta for direta, de imediato, no susto, a mesma tenderá para o lado negativo e para um universo de lamúrias e de reclamações acerca dos meios que o Marketing Direto se utiliza, justificando tais reclamações ao classificar as abordagens como invasivas e repetitivas (cabe ressaltar que não abordo aqui possíveis comunicações portadoras de vírus ou com mensagens inverídicas e/ou correntes, mas apenas as que chamamos de mensagens de ativação para uma determinada divulgação). E, mesmo trabalhando diretamente com Marketing Direto, tenho uma inclinação a concordar com essas reclamações. Isto porque algumas ativações são repetitivas, realmente. E, ainda, tornam-se invasivas quando o receptor resolve se descredenciar daquela lista, mas o remetente continua enviando, enviando e enviando suas mensagens para este mesmo receptor.

Então, aí é que entram os conceitos abordados no título deste post. Primeiro, nós todos temos liberdade de mantermos nossa participação em determinadas listas que nos interessam, assim como devemos ter respeitado nosso direito de escolher pelo opt-out em outras que não nos completam, ou seja, de efetuar o descredenciamento de determinada lista e não mais receber comunicações sobre aquela organização e/ou assunto. Tais atitudes são muito simples! Porém, poucas são as empresas que aceitam e respeitam esta decisão. Eu mesmo, muito tolerante por trabalhar nesse meio e entendendo a abordagem como uma ótima forma de divulgação, padeço com algumas dessas campanhas que infelizmente não respeitam minha liberdade por escolher o opt-out. O grande problema é que essa atitude de desrespeito dá munição para os críticos ferozes que vociferam contra as campanhas de Marketing Direto. E, nesse contexto, aquele velho ditado se ergue novamente: os bons pagam pelos maus!

Assim, como esta realidade já está posta, cabe a quem se utiliza dos meios do Marketing Direto tomar uma série de cuidados para realmente tornar sua campanha diferenciada. A primeira atitude é respeitar a opção pelo opt-out, seja via e-mail, seja via telemarketing, mala-direta e até mesmo entrega de panfletos durante algum evento. O receptor tem sempre o direito de querer ou não receber determinada mensagem! Ainda, o conceito de Marketing de Permissão deve também ser posto em pauta e respeitado. No início das campanhas, devemos sempre solicitar a permissão para dar continuidade em nossas comunicações, independentemente do tipo de mensagem que será utilizada. Um bom trabalho de telemarketing, por exemplo, passa por essa solicitação, por uma simples pergunta que tem por objetivo receber a permissão para esta continuidade. Assim como em uma campanha de e-mail marketing, em que a opção pelo descredenciamento deve estar bem visível e acessível ao receptor da mensagem. Enfatizar o direito do receptor de manter-se ou não dentro dessa linha de comunicação já é um grande passo para que esse relacionamento seja proveitoso. O outro passo é respeitar a opção, seja qual for.

Desse modo, teremos o retorno e também uma definição de como proceder com determinados contatos. O que o receptor precisa compreender é que não há como deixar de enviar certa mensagem se o mesmo não formalizou seu descredenciamento de tais campanhas. No Marketing Direto precisamos ter este retorno para poder respeitar o desejo de nosso potencial cliente. E, assim sendo, efetivamente respeitar a vontade deste cliente. A forma de atuação do Marketing Direto, quando bem feita, é a menos invasiva utilizada pelas campanhas de publicidade. Ou você pode contatar/ligar para uma emissora de TV ou de rádio e solicitar não ver/ouvir mais tal comercial durante seu programa preferido? Pelo menos atualmente não há essa possibilidade. E os repetitivos comerciais na TV e no rádio entram direto em sua casa, seu carro, seu fone de ouvidos. A opção nesses casos é o controle remoto e correr o risco de perder partes de seu programa preferido. Mas aí já é outra conversa…

Portanto, agindo de uma forma adequada e respeitosa junto aos receptores, a utilização dos meios que o Marketing Direto nos proporciona pode ser muito agradável, delicada e até mais rentável. Cabe aos responsáveis por estes projetos entender e assimilar o quanto de liberdade temos e a importância de respeitar a vontade do outro.

Anúncios

About Daniel Mello

Coordenador Comercial na Infoar - Mais Continental; Consultor em Marketing Direto e MKT de Relacionamento; Professor de Língua Portuguesa. Um profissional dedicado aos encantos da área comercial e aos mistérios da Comunicação Escrita e Produção de Textos! Um cara sempre em busca de aprendizado. E pronto para dividir expectativas, anseios e um pouquinho de conteúdo! ;)
Esta entrada foi publicada em Comunicação, Marketing e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s